"Espiritismo não é a religião do futuro, mas o futuro das religiões". ...Leon Denis

"O espiritismo é toda uma ciência, é toda uma filosofia.Quem desejar conhece-lo seriamente deve pois, como primeira condição,submeter-se a um estudo sério e persuadir-se que mais do que qualquer outra ciência, não se pode aprendê-lo brincando" Allan Kardec

"Se a religião recusa caminhar com a ciência, a ciência avança sozinha."... (Allan Kardec)

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

A energia na casa Espírita !!!





Olá meus irmãos, PAZ e Bem !


Venho aqui mais uma vez para falar um pouco de assuntos que fazem parte do nosso dia a dia, muito se ouve a respeito da doação de fluidos pelos médiuns nos trabalhos na casa espírita, nos trabalhos de cura , passe e em todos os trabalhos onde haja necessidade de doação de Ectoplasma pelo médium, como sabemos Ectoplasma, para a ciência acadêmica, é a parte da célula que fica entre a membrana e o núcleo, ou a porção periférica do citoplasma.

O Termo criado por Charles Richet. É uma substância que se acredita seja a força nervosa e tem propriedades químicas semelhantes as do corpo físico, donde provém. Apresenta-se viscoso, esbranquiçado (quase transparente, com reflexos leitosos) e é evanescente sob a luz. É considerado a base dos efeitos mediúnicos chamados "físicos", pois através dele os espíritos podem atuar sobre a matéria.

Entretanto, para os espíritos o ectoplasma é geralmente conhecido como um plasma de origem psíquica, que se exsuda principalmente do médium de efeitos físicos, e algo dos outros médiuns. Trata-se de substância delicadíssima que, situa-se entre o perispírito e o corpo físico. Embora seja algo disforme, é dotada de forte vitalidade, por cujo motivo serve de alavanca para interligar os planos físico e espiritual.

Historicamente o ectoplasma tem sido identificado como algo que é produzido pelo ser humano que, em determinadas condições, pode liberá-lo, produzindo fenômenos diversos.

A palavra ectoplasma dá idéia de que se trata de algo único, mas na verdade é um grande conjunto, formado pela combinação dos fluidos do espírito com o fluido animalizado do médium e com os fluidos ambientes.

O fluido cósmico universal é a substância básica primordial que, através de várias mutações e conversões, está presente nos múltiplos elementos que constituem a Natureza. Ele não revela um peso apreciável e, segundo a Doutrina Espírita, atua como mediador entre o Espírito e a matéria, e possibilita a aderência dos corpúsculos materiais, além de se expressar em várias configurações avaliadas cientificamente como esferas eletro magnéticas e como fluido vital.

Fica mais fácil compreender este fluido se ele for comparado ao éter (um elemento químico hipotético, não a função orgânica), ao campo magnético, ao espaço e à energia, embora se deva levar em conta a relatividade destes conceitos, que podem ser aplicados de forma restrita, apenas em situações específicas ou em certos corpos teóricos. Sem falar no caráter provisório destes princípios, os quais se transformam velozmente conforme novas descobertas são realizadas.

Este elemento, que compõe todo o Universo, adota duas condições diferentes: o estado de éter, substância hipotética presente nas regiões superiores da atmosfera; neste estágio ele não é invariável, pelo contrário, assume maiores transformações que na própria forma da matéria concreta, estruturando distintos fluidos que adotarão funções específicas na invisibilidade; e a etapa material, detentora de peso verificável, inerente à esfera que podemos ver e tocar.

Desde o contexto em que Kardec viveu até os dias atuais a expressão ‘fluido’ passou por várias modificações. Hoje, no âmbito científico, ela está vinculada somente a elementos de natureza material, como substâncias gasosas e líquidas. No contexto espiritual, porém, ela continua ativa, pois os estudiosos desta área consideram que nenhuma outra palavra poderia melhor traduzir os conceitos de campo magnético, energia, espaço e fluido vital, e simultaneamente representar o ingrediente fundamental que compõe a matéria e a antimatéria.

Nenhum destes pesquisadores acredita que o termo está defasado apenas por ter sido utilizado no século XIX; muitos deles crêem que os Espíritos que orientaram Kardec podem ter escolhido propositalmente um conceito mais avançado, similar aos empregados pela Ciência mais recente. Daí o nome ‘fluido cósmico universal’ ainda ser perfeitamente coerente nos dias de hoje. Aliás, alguns estudos revelam que o fluido cósmico abriga corpúsculos ligados às partículas essenciais, as quais ainda são desconhecidas da Ciência.

O próprio Paulo de Tarso, nos Atos dos Apóstolos (17:28) ratifica que tudo e todos se movem e existem em Deus – o que, traduzindo, significa claramente que o fluido cósmico, às vezes também denominado plasma divino, é a energia na qual a Criação se encontra mergulhada, ou seja, ele está presente em tudo que vive.

A Ciência está sempre realizando descobertas que parecem confirmar a existência deste fluido. Na década de 50, Dr. Paul Nogier, do Gemer Institute da França, detectou a presença de uma energia denominada reticular; este elemento lança-se em trajetória reta, de lado a lado dos pólos norte ou sul de um imã, depois de atravessar determinados depuradores. Esta energia age sobre o metabolismo das células, e sua revelação representa mais um avanço das pesquisas científicas sobre o potencial energético do fluido cósmico.


FLUIDO VITAL

O fluido vital, também chamado de princípio vital, é uma forma modificada do fluido cósmico universal. Ele é o elemento básico da vida. Vida aqui considerada no sentido atribuído pela ciência, que se caracteriza pelos fenômenos do nascimento, crescimento, reprodução e morte. Observe que nessa categoria, evidentemente, não se incluem os Espíritos, já que não satisfazem, pelo menos, às duas últimas condições - reprodução e morte. Em Gabriel Delanne (A Evolução Anímica) vamos encontrar literalmente: “a alma não é vivente”, porque seja mais e melhor: - tem “existência integral”.

Em “A Gênese”, Kardec assegura que “pela morte, o princípio vital se extingue”. De fato é a existência, ou não, de fluido vital que distingue um corpo vivo de outro sem vida. A diferença entre uma árvore viva e um pedaço de madeira é justamente a presença do fluido vital na primeira e sua ausência na segunda.

Apesar de já contarmos, ao nascer, com certa quantidade de fluido vital, o nosso corpo precisa ser constantemente suprido deste fluido, em razão da sua constante utilização, principalmente nos processos ligados ao metabolismo. É, contudo, característica dos seres vivos a capacidade de produzir fluido vital, continuamente, a partir do fluido cósmico universal, como também a capacidade de absorvê-lo diretamente, a partir dos próprios alimentos. Uma outra possibilidade de absorção do fluido vital é através da transfusão fluídica. Kardec refere claramente essa possibilidade quando afirma que: “O fluido vital se transmite de um indivíduo a outro”. É justamente essa propriedade, característica do fluido vital, um dos fundamentos em que se baseia o passe.
No mesmo capítulo da obra de Kardec citada acima encontramos ainda a informação: “A quantidade de fluido vital não é a mesma em todos os seres orgânicos: varia segundo as espécies, e não é constante no mesmo indivíduo, nem nos vários indivíduos de uma mesma espécie.” Realmente, na infância, a capacidade de processar o fluido cósmico para a produção do fluido vital é muito acentuada. Essa capacidade se mantém mais ou menos inalterada durante a juventude, mas a partir de certa idade ela torna-se bastante reduzida, fato este que leva a uma diminuição progressiva da vitalidade do indivíduo, levando ao envelhecimento geral do organismo. A morte ocorre quanto o organismo perde a capacidade de produzir e reter uma certa quantidade mínima de fluido vital - morte natural - ou quando uma lesão mais séria no corpo físico provoca uma taxa de escoamento desse fluido em quantidades superiores à sua capacidade de produção - morte acidental.

Os seres do mundo espiritual, por não possuírem fluido vital, é que necessitam do nosso concurso, como indispensável, para muitas das tarefas assistenciais a que se propõem.

Bom espero ter mais uma vez podido esclarecer algumas dúvidas e ter ajudado um pouquinho .

Fiquem em Paz !

5 comentários:

Beto Ribeiro disse...

Fala Dudu!!!!

Que saudade do trabalho meu irmão, mas, tudo tem sua hora e tudo tem seu tempo... Tô voltando, rapidinho.

Quanto ao post, impecável, como sempre o faz.

Tenho procurado coisas sobre a influência negativa ou contaminação através do ectoplasma. Isso tem martelado minha cabeça há algum tempo.
O negócio é, se pode haver uma contaminação aos consulentes, por parte de médiuns passistas, por conta de obsessão.
Vou pesquisas para fazer uma postagem.

Grande abraço e beijo no coração!
Fique com Deus!!

Beto.

Biologia & Espiritualidade disse...

Valeu Beto e o tema que vc propôs certamente é possível , o desequilíbrio do médium pode sim prejudicar e muito o consulente...

Bruno disse...

Fujamos dos elogios; mas deixo meu agradecimento pela sua excelente contribuição ao conhecimento como um estímulo para que publique mais! Grande abraço!

Pedro Nóbrega Pinaud disse...

Repito as palavras do Bruno...
Adorei o "Fujamos dos elogios..."
kkkkkkkkkkkkkkkk Nosso grande mestre e irmão do turbante nos orientou assim... melhor seguirmos!!!
Elogio destrói muito, né? E é perigoso, pq ele infla a vaidade tão silenciosamente que a gente só se dá conta quando está perdidinho ou quase lá! É tipo um câncer! Caraca... peguei pesado, né!?

Mas como Bruno falou, que nosso agradecimento e reconhecimento sirva para estimular a produção de mais postagens elucidativas como estas...
Nada feito por nós é perfeito, tudo pode ser bem melhor, mas que tá bom, tá bom, oras.... kkkkkk
Abraço, irmãos...

Biologia & Espiritualidade disse...

Meus amigos Bruno e J.Pedro, agradeço pelo estímulo, é sempre bom sabermos que estamos sendo útil, isso me estimula a escrever cada vez mais !
Muito Obrigado !!